Página inicial
Quem somos
Quem é nossa cobertura
Galeria de fotos
Galeria de vídeos (novo)
Sites que indicamos
Downloads
Livro de visitas
Fale conosco
Dicionário Bíblico
Artigos/ Estudos
A Rota do Sucesso
Agenda
Aliança e Cobertura Esp.
Casamento
Colaboração/Propósito
Coluna dos adoradores
Como adquirir o CD
Contatos e Convites
Dinâmica / Quebra Gelo
Discografia/Composição
Espaço Mulher
Estudos do Ap.Osmarino
Festas Bíblicas
Homens de Verdade
Igrejas Sob cobertura
Liderança
Missões
Músicas Cifradas
Notícias
Peças Teatral
Redes Sociais
Reflexões/ Meditações
Release / Ap. Osmarino
Seitas e heresias
Seminários
Símbolos Judaicos
Teologia/Hist. Igreja
Visão Celular/Estudos
Bíblia Online
Escolha o Livro
Capítulo Versículo
Palavra(s):
Estatísticas
1854 estudos publicados
3 abençoado(s) conectados
13 colunistas - 232 fotos
224636 acessos


A Adoração libera a unção de conquista das nações

Tipo: Coluna dos adoradores / Autor: Diversos Autores

A Adoração libera a unção de conquista das nações

Pr. Gilmar Britto


"Os onze discípulos foram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes indicara. Quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram. Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade nos céus

e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”. - Mateus 28.16-20

Introdução

Falar de adoração é muito nobre, pois é falar de intimidade com Deus. Sempre que lemos sobre adoração nas escrituras, há logo em seguida, uma atitude física que tipifica a adoração: o ato de prostra-se. Essa palavra originalmente no Hebraico é “Shachar”, que significa: Prostrar-se, homenagear, abaixar-se (Gênesis 18:2, Êxodo 4:31, Levítico 26:1). Um outro ponto é que ao falarmos de adoração, sempre vem associada a palavra música, entretanto a música é apenas um dos veículos, que pode ser usado para chegar-se à verdadeira adoração. Não há um ritmo específico para a adoração, se não o ritmo que bate no coração do adorador pelo ser adorado, o Grande Deus, Elochim, El-Shaddai, o Todo-poderoso.

Gostaria de destacar alguns tópicos interessantes do texto de Mateus 28, que me chamaram muito a atenção. Parecia que nunca os tinha lido. Estamos sempre falando de evangelização, vidas, almas, frutos, e às vezes nos esquecemos de alguns detalhes que estão claros nas escrituras acerda dessa conquista.

1 – adoração, o primeiro passo de quem quer frutificar no Reino

Quando os discípulos de Jesus o viram, o texto nos mostra, que a primeira atitude tomada foi ADORÁ-LO (v.17). Vemos aí, claramente, um ato de reverência, respeito e veneração ao Messias, YESHUA.

Não há um outro decreto para o adorador, pois “Todo adorador é frutífero” em tudo na sua vida. Não tem como aproximar-se de Deus e não obter suas características. II Co 5.17, diz: o que está em Cristo é nova criatura, nova pessoa, é transformado pelo presença de Cristo, o ungido, em sua vida. A Bíblia nos mostra em João 4.23,24 que Deus busca os verdadeiros adoradores, adoradores autênticos, adoradores que pagam o preço por estar na presença de Deus. Aprendemos com Jesus que os mandamentos se resumem em “amar a Deus sobre todas as coisas” (Mt 2.36-39), ou seja, quando amamos a Deus, demonstramos esse amor a Ele, e o caminho que o Eterno escolheu é a adoração. Observe que não estou falando de música. Adoração é uma decisão que nasce no coração de cada filho de Deus, isso nada tem haver com música. Não estou dizendo que a música não pode ser usada, a questão é, a maioria das pessoas, pensa que adoração é somente aquele momento em que, a igreja reunida, canta canções que exaltam a Deus. Isso pode ser adoração a Deus, se o coração de cada filho dEle, estiver, verdadeiramente, ligado a Ele naquele momento, caso contrário, é apenas um momento musical, muito bonito em que alguns o adoram e outros comtemplam, assistem. Agora, você consegue imaginar uma igreja adoradora? Uma igreja decidida a adorar a Deus de todo o coração? Com certeza, muitas conquistas virão quando chegarmos a esse estágio em nossas vidas. O que dizer da Mulher Samaritana, que adorou ao Messias, era recriminada pela sociedade da sua época, por sua atitude, entretanto, o que aconteceu depois que encontrou ao Messias e o adorou? Torno-se discípula de Jesus. Quer tornar-se um verdadeiro discípulo de Jesus? Adore-o! Essa sempre deve ser nossa primeira atitude. A palavra de Deus nos exorta a buscá-lo em primeiro lugar, e tudo será acrescentado (Mt 6.33). Busque-o, adore-o, e assim você se tornará um discípulo autêntico.

2 – Adoração, um ato de fé

A dúvida não pertence aos adoradores, pois adoracao é um ato de fé e a fé não permite dúvida. O que aconteceu naquele contexto? Enquanto uns adoraram ao Messias, outros duvidaram (v.17). Essa tem sido a atitude de muitos, a dúvida. Muitos pensam que sempre tem a razão, a verdade. Andam em seus próprios entendimentos. Acham-se sábios em si mesmo, entretanto a Bíblia os chama de tolos. Ensina-nos, inclusive que não devemos discutir com os tolos. Quando a dúvida entra, a fé sai. Não tem como caminharem juntas. A dúvida e a fé. Até quando teremos atitudes de dúvida diante de Yeshua. Até quando impediremos o mover de Deus em nossas vidas, por causa dúvida? Até quando seremos discípulos a merce da dúvida, longe da adoração, a nossa primeira chamada?

3 - A adoração nos aproxima do Messias

Não tem como adorar a Jesus e estar longe dele. O verdadeiro adorador se aproxima de Jesus e a conseqüência disso? Ele se aproxima de nós. No verso 18, a palavra declara: “Então, aproximou-se deles...” Jesus aproximou-se deles. Observe que, após terem adorado, Jesus se aproxima. Queremos muito a presença de Deus, o poder de Deus, a unção de Deus, os milagres, mas ficamos de longe, apenas observando. Alguns discípulos o viam assim, sempre de longe. Existem pessoas que querem ter êxito na vida, mas ficam sempre de longe. Os discípulos que se aproximaram do Messias receberam da sua unção. Os que o adoraram receberam a unção de conquista. Então por que ficar distante? Por que insistimos em não obedecer, não ouvir a voz de Deus? Um dos momentos que considero mais poderosos, é quando a igreja se reune e adora a Deus. É tremendo ver povo adorando a Deus! Todas as vezes que vejo a igreja em adoração, fecho os olhos e sinto o mover da glória de Deus. Quero tomar a liberdade de interpretar esse momento profético, como “som das muitas águas”. Você já teve oportunidade de visitar uma cachoeira?

Recentemente, em uma cidade do Amazonas, chamada, Presidente Figueiredo, pude experimentar mais de perto esse momento. Presidente Figueiredo é uma cidade rodeada de cachoeiras. Quando chegamos naquela cidade, logo procuramos saber onde estavam as cachoeiras. Partimos em busca de conhercer algumas delas e, minha primeira impressão foi fantástica! Depois de alguns minutos andando na floresta, comecei a ouvir um barulho. Era um som que à medida que andávamos, mata a dentro, ia aumentando. Logo nos deparamos com uma clareira, no meio da floresta, e ali estava ela, linda, exuberande, com um som que o salmista descreveu bem, o som das muitas águas, Salmos 29.3: “A voz do Senhor ressoa sobre as águas; o Deus da glória troveja, o Senhor troveja sobre as muitas águas...”

Deus ama a adoração do seu povo. Ele nos criou para isso. A natureza adora a Deus, e por que criamos obstáculos para adorá-lo? Naquele momento, lembrei das escrituras e comecei a comtemplar tudo aquilo. Tive a chance de estar bem perto dela. Fechei os olhos e...Ah! que tremendo! Lembrei da igreja, orando, adorando, o som das muitas águas. Recentemente, em um de nossos congressos, experimentamos um momento desses. O povo parou de cantar e, simplesmente, cada um levantou a sua voz em adoração ao Eterno. Ficamos por 21 minutos na presença de Deus. Fomos marcados por Ele. Essa deve ser a nossa busca: adorar a Deus, adorar ao Messias, sempre, como diz a letra de uma canção que fizemos uma versão em Português: “esse é o meu desejo, honrar-te ó Deus e adorar de coração nome teu...” Seja esse adorar, aproxime-se de Deus, ele o ouvirá, e sarará a sua terra.

4 – A adoração precede o “Ide”

Após tudo isso ter acontecido, Jesus declarou: “Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão

e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo...

Não tem como realizar a chamada universal para todo cristão, ou seja, fazer discípulos, sem ser um adorador. Já vimos que a adoração nos conecta ao Messias, então ele vem e nos capacita, nos treina, nos prepara para realizar sua missão.

Volto a repetir que ao falar de adoração não estou falando de música, ou daquele momento que desfrutamos na igreja. Adoração é uma atitude, é uma decisão. Ser um adorador não significa necessariamente, viver cantando, mas ter um estilo de vida que expresse a verdadeira devoção a Deus, não somente em palavras, mas em ações bem claras e definidas de total reverência ao Eterno, o Grande Eu Sou.

5 - Adoração está ligada ao serviço

Só cumpriremos o chamado de conquista das nações se entendermos sobre a adoração ao Senhor da Seara. Por quê? A palavra declara em Mateus 4.10: “...Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás”.

Observe que sempre ligada à palavra “adoração”, vem a palavra “serviço”, daí a conexão do adorador com o servo.

No Salmo 100 encontramos: “... Celebrai com júbilo ao Senhor, todos os moradores da terra, “servi” ao Senhor com alegria”. Em primeiro lugar precisamos entender que adorar a Deus é uma ordem expressa dada por Ele nos mandamentos. Quando adoramos a Deus, as portas se abrem, as conquistas vêm, pois há um princípio espiritual em “dar a Deus”. Quando o adoramos estamos dando a ele uma oferta; estamos entregando a Ele o nosso melhor, logo ao “dar a Deus” a nossa adoração, somos respaldados por Ele para cumprir os seus decretos, as suas ordenanças.

6 - Adorar a Deus abre as portas da conquista

Todo adorador é um conquistador de territórios. O verso 19 diz: Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações. Depois de ter adorador a Jesus, ele ter se aproximado, vem a autoridade delegada para a conquista das nações. Fazer discípulos de todas as nações é uma ordem de Jesus. Esta é uma chamada irrevogável para todo crente em Yeshua. Quais territórios você precisa conquistar? Sua família? Sua casa? Seus amigos? Seus colegas de trabalho? Finanças? Faculdade? Seja qual for o seu território a ser conquistado, decida hoje ser um adorador. Decida hoje, viver a adoração como um estilo de vida. Se olharmos para a vida de Josué, verificaremos que ele, um levita, discípulo de Moisés, outro levita, foi um dos maiores conquistadores de territórios, por quê? Ele era um adorador. Carregava em sua história de vida as marcas de um adorador que assim como o seu líder, Deus falava face a face com ele.Certamente, o Eterno lhe dará grandes vitórias.

Os resultados de uma vida em adoração:

1- Jesus aproximou-se deles;
2- Jesus revelou sua missão e autoridade;
3- Jesus derramou sobre os discípulos essa autoridade;
4- Jesus enviou-os a fazer discípulos de todas as nações.

Quer fazer verdadeiros discípulos? Seja um adorador. Quer cumprir a grande comissão? Viva um estilo que agrade a Deus em adoração. Certamente, sua vida nunca mais será a mesma.

Que o Eterno te abençoe, e te dê shalom!



Fonte:http://www.shofarmusic.com.br










 

Outros artigos do autor:

As 10 Características das Pessoas Empreendedoras‏
As 4 palavras mágicas do relacionamento humano
O Momento da Verdade do Cliente
O grande segredo das pessoas bem-sucedidas
O Sacerdote na Bíblia