Página inicial
Quem somos
Quem é nossa cobertura
Galeria de fotos
Galeria de vídeos (novo)
Sites que indicamos
Downloads
Livro de visitas
Fale conosco
Dicionário Bíblico
Artigos/ Estudos
A Rota do Sucesso
Agenda
Aliança e Cobertura Esp.
Casamento
Colaboração/Propósito
Coluna dos adoradores
Como adquirir o CD
Contatos e Convites
Dinâmica / Quebra Gelo
Discografia/Composição
Espaço Mulher
Estudos do Ap.Osmarino
Festas Bíblicas
Homens de Verdade
Igrejas Sob cobertura
Liderança
Missões
Músicas Cifradas
Notícias
Peças Teatral
Redes Sociais
Reflexões/ Meditações
Release / Ap. Osmarino
Seitas e heresias
Seminários
Símbolos Judaicos
Teologia/Hist. Igreja
Visão Celular/Estudos
Bíblia Online
Escolha o Livro
Capítulo Versículo
Palavra(s):
Estatísticas
1854 estudos publicados
3 abençoado(s) conectados
13 colunistas - 232 fotos
218178 acessos


Simão Pedro

Tipo: Teologia/Hist. Igreja / Autor: Diversos Autores

Simão Pedro (NG)


Em defesa de Pedro, ele não traiu Jesus.

Guarde a sua espada! João 18:11

Então Pedro se lembrou da palavra que Jesus dissera: Antes que o galo cante tu me negarás três vezes. E, saindo dali, chorou amargamente. Mateus 26:75



Eu creio que Pedro tinha motivo honesto para chorar, e não eram lágrimas de um traidor arrependido. Comecei a pensar nos motivos destas lágrimas registradas na bíblia, minha admiração aumentou muito em ver Jesus atuando na vida deste homem e então... também chorei.

Não foram poucas vezes que Pedro reafirmou sua lealdade a Jesus, Pedro tinha muitas qualidades e com certeza era um companheiro leal.

Pedro tinha um irmão, André, foi quem o levou a Jesus. Sou hoje grato a Jesus por existir muitos “Andrés”, que não aparecem, são anônimos aos nossos olhos, mas, têm a capacidade de encaminhar muitos “Pedros” para Jesus (João 1:41/42). Antes de seu irmão André levá-lo a Jesus Pedro era um pescador, com muitas qualidades, creio eu que entre estas qualidades estava o ideal de ver seu país livre. O ambiente era este, observemos que entre os discípulos escolhidos por Jesus, existia um que pertencia a um partido chamado Zelote (Mateus 10:4), como sabemos, naquela época Roma era dominadora de Israel, o povo Israelita ou Judeu, como eram conhecidos, estavam sujeitos ao governo romano, os Zelotes era um grupo de patriotas anti-romanos que queriam o retorno à observação das leis de Moisés e a conquista da independência nacional pela expulsão dos romanos. É inegável, neste contexto, que Jesus se apresentando e sendo apontado como o “Messias” o “Libertador”, induzia as paixões nacionalistas de Pedro.

Quando André levou Pedro a Jesus disse: Achamos o Messias..., Pedro sem titubear, com coragem, foi ao encontro daquele que segundo as escritura seria o “Redentor” de Israel. Pedro deve ter ido ao encontro de Jesus pensando nas palavras do Profeta Isaías: Na sua ira castigará os seus inimigos e povos de países distantes receberão o que merecem... E virá um Redentor a Sião... (Isaías 59:18/20)

Andando com Jesus, Pedro teve algumas oportunidades de demonstrar sua lealdade e coragem:

a) após uma noite de pescaria frustrada foi ele quem lançou a rede novamente, atendendo a palavra de Jesus (Lucas 5:4) ;

b) após algumas horas de pânico em mar aberto e tempestuoso, foi o único que teve a coragem de sair do barco e andar sobre as águas atendendo novamente ao chamado de Jesus (Mateus 14:28);

c) foi ele quem teve a coragem de responder aberta e objetivamente que Jesus era o Messias, o Filho do Deus vivo, aceitando a deidade e missão de Jesus por completo, enquanto os outros, influenciados pelas opiniões do povo, não tiveram a coragem de opinar e vacilaram (Mateus 16:13/16);

d) quando Jesus começou a preparar os seus seguidores para sua morte vicária, foi Pedro quem não aceitou a idéia de Jesus ser morto dizendo: Isto não te acontecerá. (Mateus 16:21/22).

Como escreveu H. S. Vigeveno (1) sobre Pedro: “Podemos chamá-lo de magnífico, soberbo, fenomenal, admirável, grande... até mesmo a um publicitário faltariam palavras e qualificativos para descrevê-lo. É verdadeiro tudo isto que se diz deste principal dos apóstolos, deste grande pescador da Galiléia, Pedro, o magnífico.”

Apesar disto ele reconhecia o seu lugar, suas falhas e fraquezas, aceitava a correção sem revoltar-se, sabia que era limitado era uma pessoa sensível, basta seguir a seqüência dos acontecimentos de Lucas capítulo 5 - Pedro tentou pescar a noite inteira, retornou frustrado mas, seguiu a palavra de Jesus e foi pescar novamente - a nova tentativa foi tão grande que as redes se rompiam e chamaram outros para pescar também, era tanta a abundância que dois barcos quase afundaram - Pedro percebeu sua ganância (buthizesthai) (I Timóteo 6:9) ao ver o barco quase ir a pique e o exagero da abundância trazida pela palavra de Jesus - a atitude de Pedro, vendo tudo aquilo, foi a de prostrar-se diante de Jesus dizendo: - Senhor, afaste-se de mim, pois sou pecador!

Uma pessoa com esta natureza, idealista, leal, intrépido, humilde, não poderia reagir diferente do que agiu no momento em que Jesus estava sendo traído e preso.

No ato da prisão, o próprio Jesus se apresentou para ser preso, e mais, Jesus intercedeu pelos seus discípulos no sentido de que os deixassem ir embora, pois ele, Jesus, estava se entregando, Pedro deve ter estranhado muito estas atitudes de Jesus, até devido ao fato de que minutos antes, os algozes de Jesus, já haviam recuado e caído ao chão quando ele se apresentou (João 18:5) sem qualquer reação, aquilo deve ter causado alguma movimentação e Pedro que já havia dito que aquilo não iria acontecer, que não era para Jesus “nem pensar em ser preso”, estava pronto para morrer pelo seu líder, sacou sua espada e arremeteu contra aquelas pessoas.

Imagino os rápidos pensamentos de Pedro naquele momento no sentido de defender seu Líder, o seu Messias, o grande libertador de Israel, “- não, não irão levá-lo, vamos lutar, morrer se for preciso, mas, Jesus, nosso líder não pode ser preso”.

Parece que Pedro nem deu atenção para a atitude primeira de Jesus, de se entregar, talvez Pedro pensasse consigo mesmo: “- ele quer nos proteger, por este motivo está se entregando assim sem qualquer reação”. ou “- parece que Jesus não está acreditando que eu posso lutar ao seu lado se entregando assim desse jeito, sem reagir a nada” ou “- finalmente posso provar que estou pronto para qualquer coisa para defender esta causa”.

Não sei com certeza qual foi a motivação de Pedro para sacar sua espada e atacar os que vieram prender Jesus, mas, é fácil retirar desta passagem, deste momento bíblico, que a atitude de Pedro foi a mais coerente e corajosa possível do ponto de vista humano.

Se realmente o caso fosse de uma situação de guerrilha ou guerra convencional, sob o ponto de vista secular ou humano, e se Jesus estivesse precisando de um bom soldado para esta luta, com certeza Pedro seria a pessoa ideal, ele se revelou, com sua brava atitude, um excelente soldado.

Pedro reagiu à altura do que a situação exigia e do seu ponto de vista humano.

Muitas vezes fazemos isto, nossa visão do que é correto ou errado nos leva a reagir errado com boas intenções.

Tenho um exemplo: Quando minha filha Rosana estava em fase inicial escolar, eu e minha já falecida esposa Sônia estávamos brincando de jogar dominó, aquele joguinho em que vamos encaixando as peças que possuem números iguais, a Rosana se interessou e pediu para jogar, muito bem, deixamos que ela participe já que ela poderia aprender a jogar e lhe seria útil na escola. Viramos as peças de forma que os números não fossem vistos, começamos a misturá-las, embaralhá-las, depois cada um teria que retirar do monte somente sete peças para o jogo iniciar, eu e a Sônia iniciamos o procedimento de apanhar as sete peças, a Rosana vendo que eu a Sônia estávamos pegando as peças do jogo interpretou nossa atitude do seu ponto de vista, de forma que rápida e espontaneamente passou a pegar peças como se o jogo já fosse aquele, a Rosana começou a tentar apanhar todas as peças que pudesse segurar em suas pequenas mãos, ela agiu pelo que via, não pelo que entendia, segundo o seu ponto de vista, seria o de ficar com a maioria das peças do jogo. Eu dei muita risada naquele dia.

Assim somos nós, temos raciocínio independente e naturalmente temos muitos pressupostos, ou idéias em nossa mente, que praticamente dirigem todas as nossas atitudes. Às vezes não é o plano divino.

Do ponto de vista de Pedro, a situação criada naquele momento, no momento da prisão de Jesus, exigia dele uma atitude, e assim ele fez, sacou sua espada e foi à luta, chegou a cortar a orelha de alguém.

Mas, Jesus disse para Pedro: Guarde a sua espada!... E aí...? Fico aqui engendrando as várias coisas que Pedro pode ter pensado, naquele momento e nas horas que se seguiram: “Como assim: Guarde sua espada?” Pedro deve ter pensado.

“Será que Jesus não enxerga o que está acontecendo?” Pedro deve ter ficado completamente atrapalhado, embaraçado, sem entender o motivo pelo qual Jesus estava se entregando sem lutar e sem deixar que outros lutem por ele. Os pensamentos de Pedro devem ter caído em devaneios sem sentido: - “Qual será a estratégia da luta que Jesus quis travar?”, “Não tem cabimento se entregar assim, Jesus não é um fraco ou covarde...”, “Será que ele vai querer morrer sem ter realizado quase nada, pois ainda estamos tão subjugados por Roma... O que fazer?”

A aparente derrota de Jesus, deve ter jogado por terra todos os ideais políticos de Pedro, toda sua vontade de mudar as circunstâncias deve ter sido muito abalada, afinal o seu líder se entregou, e sem qualquer resistência. “Mas, que líder é esse? Faz tantos milagres, até a filha de Jairo eu o vi ressuscitar (Lucas 8:51), falou que destruiria o templo e em três dias colocaria tudo de volta (João 2:19), e agora se entrega assim, parecendo um cordeirinho indo para o matadouro?” Poderia ter pensado Pedro.

Agora sim, começo a entender a atitude do grande Pedro ao negar Jesus três vezes, afinal ele próprio não estava entendendo mais nada. No momento da prisão, no Jardim do Getsemâni, Pedro até morreria lutando, mas, Jesus não deixou... !

Então, Jesus está preso, sendo levado, Pedro observando ao longe, ao ser indagado por uma mulher sobre sua cumplicidade com Jesus... pergunto eu: - qual seria o motivo que levaria Pedro a confirmar para aquela mulher, que deveria ser funcionária dos sacerdotes, que realmente ele era discípulo de Jesus? Do ponto de vista de Pedro, segundo eu entendo, não havia nenhum motivo.

Jesus não deixou ele fazer o que podia e queria fazer para defende-lo e agora...? Com o moral baixo, sem entender o motivo pelo qual Jesus se entregou daquele jeito. O que mais poderia fazer? Se ele dissesse para a mulher: É, sou eu mesmo! E se fosse levado até onde Jesus estava, existia o risco de Jesus rechaçar ele novamente, como fez há algumas horas atrás.

Jesus até curou a orelha do guarda que veio prende-lo, arrancada por Pedro e sua espada. Não, disse Pedro, não o conheço! Assim, Pedro foi argüido por três vezes, negava, mas não de coração, pois sua fala o denunciava como discípulo de Jesus (Mateus 26:73) sendo que na terceira vez ele até praguejou para sair daquele embaraço.

Não sei não.., eu talvez não agisse diferente do que Pedro agiu, talvez eu nem estivesse por perto como Pedro estava, enquanto Jesus era interrogado e torturado.

E o Galo cantou três vezes...

Que interessante... ainda hoje, em nossos dias, o canto do Galo é sinônimo da hora de acordar.

Com o terceiro canto do Galo, Pedro então despertou, foi a grande virada nos pensamentos dele, ele tinha muitas desculpas para agir como agiu, mas, quando o Galo cantou três vezes, seus pensamentos mudaram como um estrondo de trovão em dia de tempestade.

Talvez se ele tivesse levado um golpe de espada ou um corte em seu corpo, não doesse tanto quanto ouvir o canto daquele Galo, a dor que se apoderou de Pedro não era pelo fato de ele ter traído Jesus, era sim pelo fato de ele se encontrar novamente subjugado pela soberania de Jesus.

Pedro deve ter pensado: “Como fui tolo novamente, depois de andar com o mestre Jesus por três anos, parece que não aprendi nada!”.

Quando Pedro, nos primeiros dias de contatos com Jesus e obedecendo a sua palavra lançando a rede de pesca ficou embasbacado com os resultados, e agora sua atitude foi a de reconhecer a supremacia de Jesus, após o canto de um Galo, apesar de conviver com Jesus alguns anos e presenciar tantos milagres dele, Pedro percebeu que sua natureza humana o havia enganado novamente, que a luta de Jesus não era nos moldes que Pedro achava que deveria ser, que apesar de Pedro estar totalmente enganado Jesus tinha o controle de tudo e Pedro chorou...

Realmente as lágrimas de Pedro devem ter sido muito amargas, conforme relata a bíblia, mas, ele chorou devido ao fato de ter se lembrado das palavras de Jesus: Antes que o galo cante tu me negarás três vezes (Mateus 26:75) Garantindo que Jesus já sabia de tudo, antes de acontecer.

O valente e independente Pedro caiu em si e percebeu que a guerra a ser travada no Reino de Deus tinha regra diferente das que ele estava acostumado. No Reino de Jesus a luta não é pela espada. Quando o Galo cantou, Pedro percebeu que apesar de Jesus estar preso, sendo torturado e interrogado, ele, Jesus, tinha o controle total das circunstâncias.

Pedro deve ter colocado diante de Deus Pai a sua emoção, emoção tão forte que palavras não poderiam exprimir, talvez as lágrimas amargas pudessem.

Pedro percebeu então que toda a estratégia humana para fazer a vontade de Deus, por mais correta que seja, é só estratégia humana, que os caminhos de Jesus não são os nossos caminhos, e Jesus sabia disto e amou a Pedro.

Pedro não traiu, pois amava Jesus, negou, é verdade negou... Mas, não negar, naquelas circunstâncias, passando o que Pedro passou, resolveria algo, ou seria mais uma atitude da iniciativa humana adâmica? Assim, além de defender Pedro no sentido de que ele não era um traidor e sim um homem confuso pelas circunstâncias, podemos tirar da lição que ele aprendeu, algo que serve para as nossas vidas hoje:

Por vezes, parece que erramos ao defender a nossa fé, parece que erramos ao não entender os motivos de tantas frustrações, parece que as outras religiões vão prevalecer, parece que Jesus não nos entende, parece que Jesus não precisa da nossa vida...

Mas, não é assim, na verdade Jesus demonstrou para Pedro, e para nós hoje, que o amor é a única arma de lutar no seu Reino, que o uso do amor resulta em frutos eternos, que as aparentes derrotas sob este amor são na verdade “bombas atômicas” que mudam o mundo do homem e para amar é preciso receber a unção do amor demonstrado na Cruz. E, finalmente que ele, Jesus, tem o controle de toda a situação.

Não vamos desanimar, Jesus virá, como veio a Pedro depois daquilo tudo, e vai perguntar: - Você me ama? Realmente está certo disto? Não tem dúvidas?

Nossa resposta certa tem que ser: Você sabe que te amo Jesus. Ele dirá então apascenta (ame, cuide, alimente) minhas ovelhas. (João 21:15/17)

E continua Jesus: Pois a arma do amor que te mostrei será também usada por você (João 21:19) .

Jesus é Soberano!

Nilson Franco de Godoi

Fonte: http://www.estudos-biblicos.com


 

Outros artigos do autor:

As 10 Características das Pessoas Empreendedoras‏
As 4 palavras mágicas do relacionamento humano
O Momento da Verdade do Cliente
O grande segredo das pessoas bem-sucedidas
O Sacerdote na Bíblia